468x60_zanox_10OFF

Brasileirão 2013

Publicado em dezembro 13th, 2013 | por Thiago Rodrigo Alves Carneiro

Dr. Osvaldo Sestário nega erro no ‘caso Héverton’ em entrevista ao UOL

O Dr. Osvaldo Sestário Filho, pivô da polêmica envolvendo o caso Héverton que pode mudar a lista de clubes rebaixados do Brasileirão 2013, deu entrevista ao UOL Esporte na quinta-feira (12) após o caso vir à tona. Em resumo, ele diz que fez a comunicação correta ao clube paulista sobre os dois jogos de suspensão e que houve desatenção da Portuguesa. Ainda, afirma não temer perda credibilidade com a polêmica e diz receber apoio de colegas, familiares e outros clubes que ele defende no STJD.

Confira a entrevista na íntegra, também disponível no UOL Esporte.

UOL: O presidente da Portuguesa, Manuel da Lupa, disse que o senhor não informou a suspensão de Héverton.
Sestário: De ontem [quarta-feira] para cá, a Portuguesa mudou a versão dela. Primeiro, eles disseram que eu tinha avisado que Héverton tinha sido suspenso por um jogo só. Agora, estão dizendo que eu sequer avisei da suspensão, que eu não falei com o advogado. Ou seja, são duas versões antagônicas.

UOL: O senhor avisou?
Sestário: Eu liguei para o doutor Valdir [Rocha da Silva, diretor jurídico da Portuguesa]. Ele é meu contato há nove anos na Portuguesa. Falamos na sexta [dia do julgamento] e falamos no sábado. Inclusive, depois do início de toda essa polêmica, falei com o presidente da Portuguesa. Ele tem ciência do que eu falei para o doutor Valdir.

UOL: Tem prova de que falou com eles?
Sestário: Eu já pedi o registro dessas ligações. E também tenho o testemunho de uma advogada que trabalha no escritório comigo, que estava do meu lado quando eu liguei para o clube.

UOL: O senhor não poderia mostrar o registro da ligação no seu celular?
Sestário: Não. Eu recebi mais de 200 ligações só ontem. O registro já ficou para trás.

UOL: Avisou sobre os dois jogos?
Sestário: Claramente, eu falei sobre os dois jogos. Eu tenho a anotação de tudo isso. A pessoa que estava do meu lado confirma. Eu não tenho a menor dúvida disso. Tenho a consciência.

UOL: O senhor trabalha para mais de 30 clubes. Costuma comunicar resultado de julgamentos a todos os clubes por telefone?
Sestário: Sim. Isso é praxe. Quando há um julgamento, o clube costuma ficar em contato direto para saber do resultado o quanto antes.

UOL: O senhor não registra esse contato para evitar erros? Não manda um e-mail?
Sestário: Quando o tribunal oficializa a decisão, eu envio por e-mail. Quando o acórdão sai, dias depois, eu também envio.

UOL: E essa decisão vale a partir de quando? Da data do julgamento, a partir da notificação do clube?
Sestário: Existem dois entendimentos sobre isso. Não quero entrar nesse assunto porque isso pode ser matéria usada na defesa da Portuguesa.

UOL: Como foi o julgamento de Héverton? Ele foi julgado junto com Gilberto [atacante da Portuguesa]?
Sestário: Os dois foram julgados pelo mesmo motivo. O Gilberto foi julgado na segunda-feira. O Héverton foi na sexta-feira.

UOL: Ninguém da Portuguesa falou com o senhor antes? Pediram algum esforço para absolvição: ‘olha, queremos usar o Héverton no domingo’?
Sestário: Não. Fizeram isso com o Gilberto, acho que por ser o artilheiro do time. Chegaram a mandar o Gilberto para o Rio para o julgamento. No caso do Héverton, sequer ele veio aqui. Ele poderia pegar até quatro jogos de suspensão. Gilberto e Héveron estavam sendo julgados por ofensa a árbitro. Nesses casos, costumamos usar a presença do atleta para contrapor o que o árbitro descreveu na súmula. Acho que não deram a mesma importância ao Héverton. Se tivesse a mesma importância, teriam o mandado também. Ou então tentado um recurso contra a suspensão.

UOL: Por que o senhor não recorreu?
Sestário: Não foi pedido nada. Isso é uma decisão do clube.

UOL: A Portuguesa não se atentou para a suspensão de Héverton?
Sestário: A atitude deles demonstra isso. Eu informei e não disseram nada. O próprio fato de não ter enviado atleta corrobora para isso.

UOL: O que o senhor acha que isso vai dar? A Portuguesa escapa do rebaixamento?
Sestário: É possível. Eu já consegui vitórias em casos de jogadores suspensos por terem levado três cartões amarelos e foram escalados. Eu tive neste ano o caso de um jogador do Paysandu que jogou com contrato expirado contra o Naviraiense na Copa do Brasil. Nas comissões o Payssandu, foi condenado duas vezes. No STJD, eu consegui reverter.

UOL: Qual é o argumento nesses casos?
Sestário: Aí entra no mérito da questão. Não quero tocar nesse assunto.

UOL: Como o senhor se vê no centro dessa polêmica toda?
Sestário: Não tive nem tempo de refletir. A ficha ainda não caiu. Sei que estou desde ontem [quarta] dando muitas entrevistas e falando sobre o assunto. Sei que um determinado momento essa coisa vai passar. No começo, fiquei chateado com tudo isso. Passei quarta-feira muito mal. Tive apoio dos meus sócios e dos meus amigos, e agora estou tranquilo. O carinho das pessoas está me ajudando muito.

UOL: Sua família foi envoldida. Circulou na internet uma foto de sua esposa, junto com o senhor, ao lado do atacante Fred.
Sestário: Eu fico triste. Tenho duas filhas.  Elas estão preocupadas. Essa foto com o Fred foi tirada no tribunal. Já tirei foto com outros jogadores também. Todo mundo tem um time. Meu time de coração é o Londrina. Não é porque a gente tira uma foto com jogadores que isso quer dizer alguma coisa.

UOL: O senhor teme ter seu trabalho rotulado?
Sestário: Não tenho esse receio. Pelo contrário. Pelas manifestações que tenho recebido, posso dizer quer estão me dando os limões e eu vou acabar fazendo uma bela limonada.

UOL: O senhor pretende processar a Portuguesa?
Sestário: Eu sou advogado. Se eu tiver qualquer tipo de prejuízo, eu vou contra-atacar. Até agora, quem está sendo prejudicado sou eu. Eu estou sendo bode expiatório dessa situação. Quem está tendo a reputação e a vida toda mexida sou eu.

UOL: O STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) recebeu segurança especial da polícia nesta quinta, por causa de toda essa polêmica. O senhor está com medo ou se sentindo ameaçado?
Sestário: Não. Eu vi os policiais. Achei que eles iam ser testemunhas de algum processo. Quando há processo de invasão de campo, policiais dão testemunho.

UOL: Seu escritório trabalha para mais de 30 clubes. Como começou esse trabalho?
Sestário: Quando eu fui presidente do Londrina, eu sentia certa dificuldade de encontrar um advogado no Rio de Janeiro para nos representar. Um dia, como eu sou advogado, eu vim ao Rio defender pessoalmente um atleta. Depois, virei presidente da Federação dos Clubes da Série B, a FBA. Ali, passei a advogar para alguns clubes. Pensamos então num esquema para ajudar todos os clubes da série B. Em vez de mandar advogados, a gente poderia defender todos aqui. Essa coisa foi crescendo graças ao bom trabalho e passei a representar vários clubes.

UOL: Foi dito que o senhor era advogado indicado pela CBF.
Sestário: Não sou. Eu tenho um histórico da série B. Nós criamos um sistema para representar clubes. Eu já fui contratado da Federação dos Clubes da Série B. Quando a FBA acabou, eu passei a ter contrato com os clubes. Não há qualquer vínculo com a CBF. Com a Portuguesa, por exemplo, eu tenho contrato para prestação de serviços.

UOL: Não há conflito de interesse entre os clubes?
Sestário: Você pode perguntar isso a meus clientes. Quando há conflito de interesse, eu ligo para os clubes e indico advogados diferentes para que os clubes sejam representados. Tudo é pautado na ética.

UOL: O que os clubes que o senhor representa têm dito sobre tudo isso?
Sestário: Eu tenho recebido manifestações de vários clubes. De clubes para que eu estou advogando há quatro meses e de clubes para que estou advogando há nove anos. Todos estão me dando total apoio, prestando solidariedade total e dizendo que confiam no meu trabalho. Estou satisfeito com isso por essa confiança.

UOL: O senhor gostaria de defender a Portuguesa nesse caso da suspensão do Héverton [o clube rompeu com Sestário]? O julgamento está marcado para segunda-feira.
Sestário: Poderia ser, mas como eu não tenho mais nada com o caso, acho melhor não me envolver mais. E eu também já tenho um compromisso profissional. Tenho uma audiência no Tribunal Internacional do Esporte, em Lausanne, na Suíça. Ela já está agendada há muito tempo. Não poderia ajudar.

UOL: O que o senhor acha dessas acusações da Portuguesa contra o senhor?
Sestário: Só posso lamentar. A gente conversou depois do surgimento de tudo isso. Lembramos juntos das passagens da conversa que tivemos. Só posso lamentar.

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Tags: , , ,




Voltar ao Topo ↑